Sidebar

18
Qui., Jul.

A importância estratégica de Tomar em livro de José Manuel Arsénio

Outras
Typography
  • Smaller Small Medium Big Bigger
  • Default Helvetica Segoe Georgia Times

Decorreu no dia 11 de novembro, no salão nobre dos Paços do Concelho de Tomar, a apresentação do livro “De Alcácer Quibir às Cortes de Tomar - Visão sinóptica da crise de 1578-1580”, de José Manuel Arsénio. De origem tomarense, o autor, embaixador jubilado, tem neste o seu primeiro livro sobre História de Portugal, depois de outros onde abordou questões relacionadas com política internacional. A obra foi publicada pela Esfera do Caos, representada na cerimónia pelo seu editor, Victor Raquel. Coube ao presidente da Câmara Municipal, Hugo Cristóvão, fazer a apresentação do livro, de que destacou tratar-se de uma obra de síntese do que aconteceu nos dois anos que mediaram entre a morte de D. Sebastião e a subida ao trono de um novo rei, Filipe II de Espanha, que seria D. Filipe I de Portugal, entronizado precisamente nas cortes de Tomar. Um livro que, embora breve, é marcado por uma escrita que convida à leitura e que convoca episódios de intrigas palacianas, por vezes caricatos, mas sempre reveladores das grandes tensões que se viveram nesse período. O autor revelou que a escolha do tema deste livro não foi fortuita e teve, de facto, como objetivo, homenagear a cidade de Tomar que, independentemente da conotação negativa atribuída aos reinados filipinos e das circunstâncias sanitárias que impediram a realização das cortes em Lisboa, demonstra, ao ser escolhida, ser um dos mais importantes centros estratégicos nacionais da época. Ademais, acrescentou que chegou a estar prevista para Tomar uma outra reunião das cortes durante o tempo dos Filipes, embora acabasse por não se realizar. Optou, assim, por se distanciar um pouco da temática da obra e abordar, também sinopticamente, os momentos mais importantes da História de Tomar desde a sua escolha para bastião templário até aos nossos dias.

Nuno Garcia Lopes

Artigo disponível na edição nr 17 (Jan / 2024) do Boletim "O Tomarense".